Menu Principal


A importância do comprometimento PDF Imprimir E-mail

Por Adilson Motta*


A falta de comprometimento gera desperdício de tempo, trabalho e consome muito mais recursos do que o necessário, sem contar que o produto final poderá não ter a mesma qualidade

Se você trabalha numa grande empresa, certamente você é parte de uma máquina gigante, com muitas engrenagens que se interligam e dependem umas das outras para que a “máquina” funcione perfeitamente.

De forma análoga, na sua função, você é responsável por executar um trabalho, que posteriormente seguirá para outro colega ou área, caminhando como numa linha de produção até que o produto seja entregue ao consumidor final.

Portanto, cabe a você executar a sua atividade, dentro do prazo e da melhor maneira possível para que não comprometa a sequência do processo.

Mas nem sempre é isso que vejo!

Se existe uma coisa que me deixa extremamente irritado, é a falta de comprometimento das pessoas com o produto final.

Escuto sempre:  Já fiz a minha parte agora a “bucha” está com “fulano”, portanto o problema é dele.

Será mesmo?

Não! O problema também é seu.

A falta de comprometimento gera desperdício de tempo, trabalho e consome muito mais recursos do que o necessário, sem contar que o produto final poderá não ter a mesma qualidade.

Não espere até a sexta-feira para tirar a papelada da gaveta e resolver tudo antes do final de semana. Estabeleça prioridades, respeite os prazos e acordos, cumpra-os.

Se você não estiver comprometido com o “todo”, estará jogando contra a sobrevivência da empresa e a qualquer momento ela poderá fechar as portas.

Pense que a empresa depende daquilo que produz e vende, seja uma mercadoria ou um serviço. Se o custo do produto ou serviço for superior ao do concorrente, fatalmente o seu ficará na prateleira.

O barco não afunda só do lado do seu colega!

Comprometa-se!

 

*Adilson Motta: Administrador de Empresas, com muito orgulho, pós-graduado em Recursos Humanos, 33 anos atuando em diversas empresas. Pai, filho, marido, enfim, mais um cidadão do mundo.


Fonte: www.administradores.com.br